Como é ser "mãe" de um cachorro...

| |
Gente bonita, hoje vim falar de um assunto um pouco diferente.... Tem muitas pessoas que pensam em ter um bichinho de estimação, então, decidi contar um pouquinho como tem sido minha experiência...

Gostaria de apresentar para vocês o Freud, meu pinscher com gigantismo.... hahahahahaha

Porque pinscher com gigantismo?? Porque ele é muito grande para ser pinscher, mas os pais são. Gente, fui visitar minha tia (dona dos pais dele) e simplesmente o Freud é o dobro do tamanho dos pais e irmãos. Não sei como, acho que ele foi adotado, hahahahahaha

Ele nasceu na serra gaúcha e foi para o litoral. Porém não se adaptou aos cachorros j;a existentes na residência e foi entregue a nós no início de 2014. Faz quatro meses que estamos com ele em casa. Atualmente ele está com 10 meses (comemora aniversário em junho!).

Deixando as bobagens de lado, porque é bom ter um pet??

A primeira coisa a ressaltar é que jamais estamos sozinhos quando se tem um pet em casa. Por exemplo, neste momento,enquanto eu escrevo para vocês,ele está bem acomodado, dormindo, em meu colo. E para tudo é assim. Se eu sento no sofá, ele sobe atrás. Vou para a cozinha, ele vai junto e deita no tapete. Meu marido e eu vamos olhar filme, ele vai junto. Ele dorme na cama dele, mas ao lado da nossa (do meu lado para ser mais exato).
O carinho é muito. A felicidade quando chegamos em casa e a folia são animadoras. Quando trabalho nos eventos, chego de madrugada e ele me recebe com a mesma felicidade e carinho de sempre. É muito bom voltar pra casa e ter alguém nos esperando.

Também cuida da casa. O Freud é um excelente guardião. Está sempre atento e avisa quando chega gente. É meio medroso, mas late quando percebe alguém se aproximar.
Os cuidados com esses bichinho devem ser sempre tomados.

Como o Freud fica dentro de casa, banho uma vez por semana. com água morna e shampoo específico para cachorro. Cuidado com as orelhas na hora do banho, pois caso aconteça de entrar água, pode causar infecção. Talco anti pulgas e ração adequada. Água fresca a vontade e uns biscoitinhos ao longo do dia. Vacinas, cuidados com higiene e com o que fica ao alcance dele são essenciais.

Ele adora roer um sapato (pensem em minha felicidade!) e revirar o lixo. Tomamos o cuidado de não deixar nada exposto. Mesmo assim as vezes ele consegue pegar algo e destrói no pátio (seu favorito é caixa de leite). Cuidado redobrado se existem árvores frutíferas no quintal. Caroços devem ser mantidos BEM LONGE dos animaizinhos, pois eles liberam toxinas nocivas aos cães, assim como uvas. Também é preciso deixá-los longe de chocolates, doces, comidas com sal, temperadas com cebola, bebidas alcoólicas. Informação nunca é demais. Vale a pena tirar um tempo e conversar com um veterinário sobre todos os cuidados com nossos amigos de quatro patas.

Ensinamos ele a sentar, deitar, rolar, dar a pata, ficar em duas patas (que chamamos de "em pé") e dar beijo (ele encosta o nariz no nosso nariz). A cada acerto recompensamos com um biscoito. Ele é muito inteligente. Algumas raças são mais teimosas para ensinamentos, mas isso não significa que o cachorro é burro, ele só não quer aprender.

Ele adora criança, mas existem algumas raças menos receptivas aos pequenos. Uma boa pesquisa sobre as reças vale a pena para quem quer um cachorro.
Os únicos pontos negativos é os pelinhos que ficam pela casa toda (e cachorro com pelo curto larga mais pelo), o cheiro de cachorro pela casa e quando eles inventam de fazer suas necessidades dentro de casa.
Os pelos e o cheirinho a gente concerta limpando a casa mais seguido, tudo bem, mas agora o xixi e o coco??
Bom, o Freud sempre fez suas necessidades na rua (o que resultou em nos acordar as 7h todos os dias para abrir a porta), mas desde que as cachorras da vizinhança entraram no cio (todas resolveram entrar juntas parece), ele começou a marcar território em tudo dentro de casa. Porém, repreendemos ele umas duas vezes (isso tem que ser feito no momento que se ve o cachorro fazendo algo errado para ele entender que o que está fazendo não é permitido, não pode  ser depois, pois ele não saberá porque está sendo xingado) e ele não fez mais, quando o faz, utiliza o box do banheiro.
Ter um cachorro em casa é quase ter um filho. Vários cuidados devem ser tomados e procurar ajuda especializada é o melhor caminho para não se cometer nenhum erro que possa prejudicar o bem-estar do pet.

Terminei de escrever o post e ele continua no meu colo, acreditam?

Gente bonita, se você, assim como eu, é louco por cachorro, adotem. Existem tantos cachorros abandonados, em canis, esperando uma família para encher de amor e dedicação. Não sou contra quem compra, mas tirar um cachorro da rua, dos maus tratos vale mais a pena que investir uma quantia as vezes absurda em um pet.

E vocês, tem cachorro, gato, piriquito, papagaio??
Conte para nós sua experiência, vamos adorar conhecer um pouco mais vocês....





Por agora é isso, mas eu volto com mais notícias.....
















Um comentário:

  1. Minha pincher também tem gigantesco Ju! haha. Adoro ela, o nome dela é Pink, e é marrom. Já é minha segunda pincher, antes eu tinha o Lulu, mas ele morreu depois de 13 anos, foi uma vida. Pegamos ele quando eu tinha 8 anos. Muito fofo o Freud, eu ainda quero ter um cachorrinho chamado Freud! beijos

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar o Psicologicamente Bela. Sua opinião é muito importante! Os comentários são moderados, pois gosto de ler todos e respondê-los!